Página Inicial > Indices > DESACELERAÇÃO NO PREÇO DOS IMÓVEIS CHEGA AO 11° MÊS

DESACELERAÇÃO NO PREÇO DOS IMÓVEIS CHEGA AO 11° MÊS

 

O Índice FipeZap, que acompanha a variação do preço médio do metro quadrado dos imóveis em 20 cidades brasileiras, subiu 8,23% nos últimos 12 meses. É o 11° mês de desaceleração do índice. No ano, a alta acumulada é 5,88%. O valor ficou 0,75% acima do IPCA, índice que registra a inflação oficial do período, considerando a expectativa para outubro apurada pelo boletim Focus do Banco Central. Ou seja, embora venha desacelerando desde novembro do ano passado, quando registrou alta de 13,8% em 12 meses, o preço dos imóveis ainda apresenta pequeno aumento real neste ano no país.

desaceleração fipezap

Em oito das cidades monitoradas, contudo, os preços em 2014 já sobem menos do que a inflação: São Caetano do Sul (5%), Florianópolis e Recife (ambas com 4,6%), Porto Alegre (4,2%), Contagem (4%), Santos (3,3%), Curitiba (1,8%) e Brasília (-1%).

No mês, a variação do índice foi de 0,45%, contra 0,55% em setembro. Como a expectativa é que o IPCA feche o mês em 0,5%, o resultado representa uma queda de preços dos imóveis em termos reais. São Paulo e Rio de Janeiro, cidades que viveram aumentos expressivos nos últimos anos, desta vez se destacaram por registrarem a menor variação mensal desde o início da série histórica em 2008: 0,3% e 0,35%, respectivamente. Brasília (-0,02%), Florianópolis (-0,55%), Salvador (0,48%), Fortaleza (0,03%) e São Caetano do Sul (0,17%) também tiveram variação do preço médio do metro quadrado menor do que a variação esperada da inflação.

O Rio continua sendo a cidade com metro quadrado mais caro: R$ 10.830, seguida por São Paulo (R$ 8.301). Já em relação aos aluguéis, houve queda na variação mensal em ambas as cidades. No Rio, a queda dos preços do metro quadrado para locação chegou a 1,7%. E, em São Paulo, a 0,07%. No acumulado do ano, contudo, o aluguel ainda mantém ligeira alta: 4,5%, no Rio, e 1,2%, em São Paulo. Considerando os últimos doze meses, a alta chega a 5,66% no Rio, e a 3%, em São Paulo.

Fonte: O Globo

Indices

  1. Nenhum comentário ainda.
  1. Nenhum trackback ainda.